Olha só!, é um blog olho no olho, quero dizer, palavra no ouvido, grito no espaço, segredo e colapso público. É pra conversar um pouco pois é conversando que a gente se entende. Um pouco. Em tempo: todas as fotografias são do mesmo autor dos textos.
Segunda, 4 de outubro de 2010
A NOVIDADE

 

Amar tem isso: a novidade é que ainda amo muito, sinto e suo por minuto, e mesmo assim não me permito um novo susto, um outro sonho, um justo futuro.

Amar tem isso: a possibilidade de felicidade é um sonho curto.

 

 

marco./21.09.2010.

 

Sábado, 2 de outubro de 2010
ASMA

o teu fantasma

me faísca a alma em cada poro

e mesmo eu sabendo

que ele já está morto

esse pequeno estímulo

é uma isca mais do que semente

não é nulo mas é tão somente

uma rápida presença

e a cada uma vez também um soro

que me envenena a calma

mas desde já, já sabe,

mesmo você morta,

a sua assombração

tão certo assim

fareja toda a tessitura

do meu espírito pagão

do meu corpo nefasto

e é uma mistura

de prazer e asco

o que ainda me faz

me arrepiar

por meu algoz

beijar na boca

o meu carrasco.

 

marco/01.10.2010.

Sexta, 1 de outubro de 2010
CONVERSA COM O AMOR

 

Eu sei, ‘a gente briga, diz tanta coisa que não quer dizer’, até aí tudo bem. Meu amor, o problema é que você gosta mais de bater do que eu careço apanhar. E veja, bem, repare, mire: às vezes é bom reparar os danos colaterais, mirar e não acertar o centro do alvo. E veja bem, observe o artigo no título. Não é com você que estou falando, não estou nem aí, tu não estás nem aqui.

Mas nesse embate você precisa mais morder do que soprar, mais ferir do que cicatrizar. E eu necessito de pluma sem tapa, beijo que até esmaga mas deixa gosto de quero mais. Gosto do todo mas também da raspa, da rapadura e da pasta, da solidão mas também do oceano infinito quando o sol chega na praia. Preciso esquecer do  tempo no momento preciso de me engalfinhar com você mas é mister saber o exato instante de sair, à francesa, da raia.

Eu sei que meu bem é o amor, que o meu amor é um enorme bem. Até aqui tudo bom. A questão é que eu guardo novas rendas e lendas para por na cama, outras cartas não marcadas para por na mesa. E você desfaz todo leito e beleza, derruba a certeza quando vira a mesa, você traz a destruição em sua natureza.

Por isso, amor, é natural que eu a toda hora te procure ou que nunca mais você me veja. 

 

marco/01.10.10.

Páginas
<< Início  < Anterior 5 6 7