Olha só!, é um blog olho no olho, quero dizer, palavra no ouvido, grito no espaço, segredo e colapso público. É pra conversar um pouco pois é conversando que a gente se entende. Um pouco. Em tempo: todas as fotografias são do mesmo autor dos textos.
Terça, 21 de julho de 2009
DESGRAÇADO AMOR

"me ame como a um irmão: mentiras sinceras me interessam."
Cazuza.


diga que sim, finja que não: me ame como a um amigo. todos os deslizes, todos os desastres, todas as desculpas me interessam. diga que não, minta que sim: me ame como a um semelhante. todas as desistências, todas as covardias, todos os álibis me interessam. diga que sim, peça que não: me ame assim como a um vil. todos os recalques, todas as minúcias, todos os chiliques me interessam. diga que não, sinta que sim: me ame assim como a um qualquer. todos os senões, todas as injúrias, todos os tesões me interessam. diga que sim, creia que não: me ame como a um senhor. todos os poderes, todos os pavores, todas as insônias me interessam. diga que não, cisme que sim: me ame como a um menino. todos os brinquedos, todas as vontades, todos os segredos me interessam. diga que sim, siga que não. me ame como a um defunto. todos os martírios, todas as mazelas, todas as relíquias me interessam. diga, finja, minta, peça, sinta, creia, cisme, siga. me ame como a um nenhum. como a nenhum outro. mentira perversa me interessa.


marco.21.07.2009.

Terça, 21 de julho de 2009
UM POEMA TORTO:

ENVIEZADO

todos os meus deuses oram
roldos dos meus nervos param
lodos dos meus chãos remoçam
toldos dos meus circos roçam
os céus
só de pensar em te rever
e te ter e reter você sem fim.

soldos do que sou
não pagam
um seu viés
que viesse a mim.


marco.21.07.2009.

Terça, 21 de julho de 2009
UM RETRATO SEM IMAGEM: SÓ SENTIMENTO.

Vi uma mulher chorar. Muito.
Bem silenciosamente, chorando muito.
Penso que por amor ou desamor, mas certamente de dor. Muita.
Creio que coisa repente e automáticamente avassaladora. Sem aviso ou prévio pedido de permissão o sentimento a conquistou, tomou posse, imperou.
Sem lágrimas ou soluços, somente uma fonte deslizando de seus olhos, francamente.
O que não me causa susto, desejo de socorro, apreensão nenhuma. Reconheço fisiológicamente o que vejo porque me reflete no fundo do olho, me arrepia todas as peles, pelos e espinha, me exerce uma força tamanha que quase que acho que aquela água é minha.
Que é a minha. Mina de sal e mágoa.
Então, só agora sei, que aquela mulher, de alguma forma talvez mais que humana, foi amalgamada a mim: amada sina, amiga involuntária e inalienável da minha vida.

marco. 19.07.2009.
Páginas
<< Início  < Anterior 1 2 3 4 Próxima >  Última >>